A INTERAÇÃO desenvolve um trabalho de diagnóstico e mapeamento participativo baseado na metodologia do SDI, cujas principais ferramentas de pesquisa são o autorrecenseamento, o perfil e o mapeamento comunitário.

O autorrecenseamento é um censo feito pelos próprios moradores de uma área. Ele inclui desde informações tradicionalmente presentes em cadastros municipais, tais como dados demográficos e perfil socioeconômico, bem como dados que a própria comunidade escolhe incluir, como por exemplo a quantidade de pessoas com necessidades especiais, idosos com dificuldade de locomoção, entre outros. Desde que deliberado pela própria comunidade, tanto dados quantitativos quanto qualitativos podem fazer parte deste censo.

A comunidade decide o que fará parte do formulário e também executa a coleta e atualização de dados, com o suporte da Rede Interação. Ela deve ser a maior detentora do conhecimento adquirido, garantindo a formação de um banco de dados comunitário, que geralmente é compartilhado com o poder público.

O mapeamento e o perfil comunitário, respectivamente, consistem em um mapeamento da área da comunidade e da localização dos seus serviços públicos, tais como escolas, centros comunitários, etc., e em um levantamento geral de informações sobre a comunidade, abrangendo informações sobre o histórico e o contexto atual da área, incluindo o acesso a serviços públicos e infraestrutura, e as prioridades e preocupações dos seus moradores.

Esses instrumentos participativos têm se mostrado bastante eficazes na aproximação das pessoas e na formação de conhecimento coletivo. Este conhecimento é essencial para o fomento de ações democráticas tanto com o poder público, como com outros agentes. Os moradores têm, dessa forma, a oportunidade de reconhecer e identificar suas necessidades e prioridades, assim como utilizar a informação obtida para se aproximar de representantes públicos e privados para diálogos mais qualificados e negociações melhor instrumentalizadas.