O terceiro eixo da tecnologia social desenvolvida pela Rede Interação é o intercâmbio de comunidades, gerando troca de informações, experiências e técnicas diretamente entre moradores de assentamentos precários.

O papel das mulheres é fundamental neste processo, induzindo dessa forma mudanças culturais nas comunidades. Muitas mulheres têm pela primeira vez uma oportunidade de afastar-se de suas famílias, conhecer outras localidades e interagir com pessoas em situações similares.

O intercâmbio pode ocorrer dentro de uma cidade, entre cidades ou mesmo entre países. Hoje em dia, integrantes de federações populares na Ásia, África e América Latina, em 33 países, compartilham suas experiências com o apoio do SDI.

A idéia básica do intercâmbio é fortalecer o conhecimento do próprio ambiente para os membros das federações populares. Ao transmitir seus conhecimentos e experiências fora de suas comunidades as pessoas vêem sua própria realidade com um outro olhar e ampliam a compreensão sobre sua própria situação.

O intercâmbio também proporciona o reconhecimento da existência de desafios comuns entre assentamentos precários nacional e internacionalmente e a busca de soluções coletivas, além de possibilitar a formação de uma rede de ação, que tem um alto poder de fortalecimento das iniciativas particulares de cada comunidade, cidade, estado, região e país.